• Notícias

CRV Lagoa busca o melhor da genética Angus diretamente nos Estados Unidos

Thell de Castro Corte Europeu 14 de março de 2019

Print Friendly and PDF



Seguindo sua missão de disponibilizar ao mercado os melhores touros avaliados em todo o mundo, a equipe do departamento de Corte da CRV Lagoa viajou novamente aos Estados Unidos em busca de novidades Angus para os criadores brasileiros. O objetivo era encontrar animais para suprir a demanda do mercado nacional, que busca desempenho em gordura e qualidade de carcaça, especialmente no marmoreio.

Durante 10 dias, Ricardo Abreu, gerente de Contas Corte, e Cristiano Leal, gerente de produto Corte Europeu, rodaram mais de 3.000 km em seis estados norte-americanos, visitando rebanhos na região conhecida como Cinturão do Milho.

Segundo Leal, boa parte dos animais meio-sangue abatidos no Brasil nos dias de hoje tem problema de carcaça. Eles contam com excelente desempenho, bom ganho de peso a campo, mas, quando chegam ao frigorífico, falta acabamento na carcaça. “Sabendo disso, focamos em buscar animais de excelente desempenho nos EUA, somados a uma carcaça mais desenvolvida e com boa cobertura de gordura”, ressalta.

Ele explica que há vários players no mercado brasileiro que pagam por uma carcaça com essas características (gordura e marmoreio), que o consumo desse produto tem aumentado bastante e o país não está conseguindo oferecer animais em quantidade suficiente.

“Neste ano, adquirimos reprodutores com essas características dos principais rebanhos americanos. Eles já estão em coleta e, em breve, essa genética estará disponível para atender nosso mercado em tempo recorde, para que os produtores já possam fazer animais com mais qualidade de carcaça sem abrir mão do desempenho”, destaca Leal.



Nos EUA, 100% dos animais nascidos, machos e fêmeas, são genotipados; consequentemente, a avaliação genética desses animais é genômica. Para chegar aos melhores animais, a equipe utiliza uma base de dados muito sólida, com informações da Associação Americana de Angus e a Angus Genetics Inc.

Além desses dados, a CRV Lagoa já trabalha com as DEPs no sistema single step, uma soma da avaliação genética do animal com as avaliações dos dados coletados e a avaliação genômica. “De posse desses números, filtramos quais os reprodutores serão ofertados no ano, que são os que possuem as DEPs mais equilibrados para atender exclusivamente o mercado brasileiro”, lembra Leal.

Abreu enfatiza que a equipe inspecionou os rebanhos com os melhores animais avaliados, com idades entre 12 e 24 meses, com DEPs elevadas de crescimentos e de carcaça. “Não adianta o animal ter elevada DEP de peso ao ano, que é o principal crivo do Angus, mas não ter precocidade de acabamento de gordura e não ter musculosidade”, exemplifica.



Depois de identificar, a equipe visita as fazendas e revisa os touros, para ver se eles realmente têm um biotipo que agrada e que vai de encontro ao que os produtores brasileiros buscam, ou seja, desempenho, precocidade e aprumo, dentro do padrão da raça. No mês de março, esses animais são colocados em leilão, onde os criadores disponibilizam os animais para as centrais.

“Temos uma unidade da CRV nos EUA, onde fechamos as parcerias ou compramos na totalidade os touros que nos interessam. Ainda podemos fechar sociedade na aquisição desses animais, como é o caso do Connealy Fortune, o número 1 do ano passado, que já está com sêmen disponível. É um animal de 20 meses de idade, recordista de preço no leilão, que investimos no ano passado. Esse é o tipo de touro que atende à demanda brasileira”, conclui Abreu.