• Notícias

CRV Lagoa passa a ser a orientadora genética do projeto Boi 777

Thell de Castro Corte Zebu 12 de setembro de 2018

Print Friendly and PDF



Mais produtividade em menos tempo, com mais qualidade de carne. Essa é a promessa do Boi 777, conceito desenvolvido por pesquisadores da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Foi firmada uma parceria que possibilitou à CRV Lagoa ser a orientadora genética do projeto.

As novidades foram anunciadas no 2º Beefday, realizado no dia 15 de agosto, no Polo Alta Mogiana da APTA, em Colina (SP). O evento contou com a participação de grande equipe da Central: Cesar Franzon, gerente de Inovação e Rebanho, Ricardo Abreu, gerente de Contas Corte, Caio Tristão, gerente de produto Corte Zebu, Cristiano Leal, gerente de produto Corte Europeu, Fabio Frigoni, supervisor técnico de Serviços, Deise Canani, assistente do departamento Corte, e José Ricardo, assistente do departamento de Serviços, além dos consultores de campo Cesar von Zuben, Rodrigo Lima e Renata Forero.



De acordo com Frigoni, através dessa parceria, a CRV Lagoa passa a ser responsável pela avaliação do rebanho, direcionamento dos acasalamentos e fornecimento de sêmen, tudo isso buscando otimizar a construção do Boi 777.

“A genética é o ponto inicial na construção do biotipo animal que buscamos para cada sistema de produção. Essa parceria é de extrema importância para a pecuária brasileira, porque vamos acasalar e direcionar os melhores touros dentro do sistema. Esses animais, frutos desses acasalamentos, terão a tendência, na prática, de ter um desempenho ainda melhor no campo”, explica Frigoni.



Contando com oito estações, o Beefday teve como objetivo promover a ampliação do conhecimento técnico perante o público-alvo através do intercâmbio gerado por palestras e discussões técnicas, além de gerar extensão rural, oferecendo alternativas tecnológicas que, baseadas em resultados de estudos científicos, sejam capazes de promover o aumento na produtividade aos diferentes sistemas de produção de carne bovina e gerar negócios e ampliar o networking.

Participaram pecuaristas interessados em busca de conhecimento e novas tecnologias, profissionais das ciências agrárias, como zootecnistas, agrônomos, médicos veterinários, técnicos agropecuários, e profissionais de empresas da cadeia produtiva da carne, como frigoríficos, indústrias de nutrição animal, entre outras.