• Notícias

Marleen Felius apresenta a História do Zebu no Brasil na ExpoZebu 2004

Institucional 30 de abril de 2004

Print Friendly and PDF

Na noite do dia 29 de abril foi aberta a 21ª Mostra da Fundação Museu do Zebu, em comemoração aos 70 anos da Expozebu. A pintora holandesa Marleen Felius, apoiada pela Lagoa da Serra, a maior central de inseminação artificial da América Latina, presenteou a ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu) com a obra “O Zebu do Brasil, uma história de arte”, que conta toda a história dos zebuínos no Brasil, desde a chegada dos primeiros animais até os dias atuais.

A cerimônia reuniu diversas personalidades do segmento pecuário, como o presidente da ABCZ, José Olavo Borges Mendes, o presidente do Conselho Curador da Fundação Museu do Zebu, Márcio Cruvinel Borges, o diretor-presidente da Lagoa da Serra, Guus Laeven, entre outros.

Marleen Felius foi homenageada pelo Museu do Zebu com uma placa, em virtude da contribuição que prestou à pecuária brasileira com suas obras. De acordo com Borges, a pintura é “fantástica, pois conta não só a história do Zebu, mas também toda a trajetória da ABCZ. Enaltece o Museu e está à disposição do público para visitação”.

A pintura é dividida em três etapas, cada uma dedicada a uma época histórica sobre a pecuária do Zebu no Brasil. A primeira retrata o período entre 1813 e 1925, quando os primeiros animais zebuínos, vindos da Índia e Paquistão, chegaram ao Brasil, com predomínio da raça Guzerá na época. Na segunda parte, é retratado o período entre 1925 e 1945, com predomínio da raça Indubrasil, crescente popularização do Gir e o surgimento da raça Tabapuã.

Na terceira e última parte, é retratado o período entre 1945-1965 até chegar aos dias atuais. “Ressalto nesta etapa as importações de 1960 e a orientação da ABCZ nos trabalhos de seleção, decisivos para a multiplicação e o desenvolvimento do Zebu no Brasil”, comenta Marleen Felius.

Na obra, a pintora faz uma homenagem a touros famosos que contribuíram para o melhoramento das raças zebuínas e também pessoas que ajudaram a escrever essa história. “Alguns são verdadeiros heróis, que pagaram muitas vezes com a própria vida, e merecem lugar de destaque na obra, assim como a raça Nelore”, destaca Felius.

Referência mundial em pintura de gado, Felius veio ao Brasil pela primeira vez em 2000, a convite da Lagoa da Serra. No ano passado, apresentou a obra “Retratando o Zebu Brasileiro” durante a ExpoZebu. Além disso, retratou os touros campeões na exposição, oferecendo as pinturas para os respectivos proprietários.

Marleen Felius – Nascida nos arredores de Roterdã, Felius começou, ainda na infância, a se dedicar a cavalos, gado e a vida em fazenda. Estudou na Academia de Belas Artes da Holanda, escolhendo o gado como principal tema do seu trabalho. Em sua graduação, no ano de 1970, foi premiada por seu excepcional desenvolvimento artístico.

Iniciou um estudo das raças e suas diferentes utilizações no mundo todo, viajando pela América do Norte, Novo México e fronteiras do Canadá, com o objetivo de estudar as raças bovinas e a pecuária. Visitou também exposições de gado e criadores na Europa, América, Egito e Paquistão.

O conhecimento adquirido foi transformado em vários livros, artigos e conferências. Seu trabalho mais importante, “Raças de Gado – Uma Enciclopédia”, foi publicado em 1999 e bastante premiado. Seu livro “De Koe” (A Vaca), foi indicado para o prestigiado prêmio “Eureka 2002/2003”.

Muitas obras de Marleen Felius estão em permanente exposição na sede da Lagoa da Serra, localizada em Sertãozinho (SP). “É uma honra para a Lagoa da Serra apoiar Marleen Felius, uma artista de renome mundial, cujas obras são apresentadas em museus e galerias de arte em várias partes do mundo”, ressalta Guus Laeven.