• Leite Zebu » Navegadores » Teste de Progênie

Todo produtor de leite define metas para sua fazenda. Esses objetivos podem ser diferentes, dependendo da fazenda ou da região, mas o rebanho está sempre no centro do negócio. As mudanças nas condições de mercado e do ambiente em que a fazenda está localizada terão impacto sobre a forma como o rebanho é gerenciado.

A CRV Lagoa compartilha o compromisso do produtor com a evolução do rebanho e sente-se responsável em ajudá-lo a alcançar os melhores resultados. A chave para isso tudo está no bom manejo do rebanho.

É por isso que desenvolvemos o Navegador de Resultados CRV Lagoa, detalhando a nossa visão sobre o manejo responsável e produtivo do rebanho.

Para nossa abordagem nos concentramos em 3 pilares que podem fazer toda a diferença na grande maioria das propriedades de leite no Brasil. São eles: conhecer sua realidade, planejar e melhorar.



Os touros participantes de teste de progênie (TP) estão inseridos em um programa de melhoramento genético e passam por prévia e rigorosa avaliação de genealogia, avaliação genética e produção de leite da mãe, bem como pré-seleção para fertilidade, desenvolvimento corporal, teste de libido, teste de reatividade para avaliação do temperamento, congelamento e descongelamento de sêmen. São ainda avaliados quanto às características funcionais (estrutura, aprumos, conjunto umbigo-bainha-prepúcio e pigmentação). O processo, em média, tem uma duração aproximada de seis anos para divulgação dos resultados através das avaliações das filhas dos touros de cada grupo em TP.

As informações moleculares possibilitam novas abordagens para o melhoramento genético, permitindo acelerar o ganho genético. As proteínas diretamente envolvidas na formação do queijo são as caseínas e globulinas.

Touros que possuam em sua constituição genética os alelos B para kappa-caseína e lactoglobulina irão transmitir para suas filhas maior potencial para maior capacidade de coagulação e teor de caseínas. Os efeitos desses genes são aditivos. Consequentemente, animais que possuam o alelo B para ambos os genes produzirão um leite com maior rendimento na produção de queijo.